domingo, 10 de julho de 2011

Domingos de corrida - Destruction Derby

Pois é galera, hoje foi o GP de Silverstone, e pra falar a verdade eu ando meio desanimado com a F1. Não pela liderança absoluta da RBR nos ultimos tempos (afinal as disputas no resto do pelotão tem sido muito legais de se ver) mas por uma outra série de fatores que já vem se acumulando a algum tempo.
Por isso nem me lembrei que era fim de semana de GP e nem assisti a classificação ontem, acordei hoje no fim da prova e nem me dei o trabalho de ver o término, por isso nem vou comentar nada sobre a corrida. Se bem que o Alonso ganhou, e esse fato sozinho já é suficiente para chamar o fim de semana todo de péssimo pra baixo rsrs.
Por isso vamos logo ao jogo: Destruction Derby!


Eu não sei se já comentei por aqui, mas eu acho o período de transição entre a quarta e a quinta geração muito interessante na história da industria gamer. O salto na qualidade
gráfica do jogos que se viu não pareceu ter sido igualado em nenhum outro momento desde então.

É claro que nesse caso estou considerando uma comparação direta entre as principais plataformas da época. É óbvio que num embate entre SNES/Mega e PS1/Saturn existe um puta constraste e sim, eu sei que a transição dos "sprites para polígonos" não foi dessa forma instantânea. Mas naquela época, principalmente pra nós brasileiros, as coisas não eram tão acessíveis. Muito antes de PS1 e seus trocentos milhões de polígonos na tela, já era possivel ver coisa parecida com Jaguar, 3DO e principalmente PC, mas nesse ultimo caso a barreira que separava os PC's dos consoles era muito forte e isso demorou pra mudar, de maneira que era meio raro o acesso aos "games de computador" para a maioria dos jogadores dos 16 bits, entre eles este que vos fala. Já o 3DO era um videogame caro pra caralho o que acabou sendo um dos principais fatores para a sua não popularização de forma, digamos assim, mais maciça. Agora o Jaguar, bem, eu nunca nem toquei em um, e nunca conheci alguém que o tivesse feito, o mesmo vale para o 32X então, bem você me entendeu rsrs.

Da esquerda para direita: Ridge Racer, destruction Derby e Pandemonium, três grandes games do inicio da vida do PS1
Talvez por isso aqueles primeiros games como Ridge Racer, Pandemonium e Destruction Derby tenham chamado tanto a atenção, principalmente do jogador mais habituado aos consoles e pouco acesso a arcades.
Não é que sejam pérolas de valor inestimável na história gamer, pelo contrário, estes que citei estão até bem datados, tirei o meu PS1 velho de guerra do armário e fui jogar Pandemonium esses dias. Não sou do tipo que reclama de gráficos ou jogabilidade já meio antigos, ou pior, querendo fazer comparações com o que se tem hoje, mas confesso que não aguentei muito tempo não. No fim das contas acaba sendo aquela velha história de que um game "envelheceu mal", se é que isso existe mesmo.

Mas, como todo bom retroplayer (e brasileiro) eu não desisto nunca, e esses dias experimentei Test Drive Eve of Destruction do PS2. Adorei o game, ainda quero falar sobre ele por aqui, mas como ele possui o mesmo estilo de Destruction Derby (que agora vou me referir apenas como DD pra facilitar) resolvi falar do clássico da Psygnosis.

Aliás por falar em Psygnosis, os caras deram um suporte legal pro PS1 nos seus primeiros dias, além de DD, põe na conta deles Formula One (aquele do Satriani), Colony Wars e WipEout (sei lá como é que se escreve isso Andy rsrs). Tá certo que a Sony já tinha adquirido a empresa em 93 facilitando o acesso e aprendizagem sobre o hardware do PS1, mas isso não tira os méritos desses games serem muito bons e aclamados em sua época.
Ah sim, é bom lembrar que DD foi apenas publicado pela Psygnosis, ele foi desenvolvido pela equipe da Reflections, que mais tarde conceberia o também aclamado Driver.

Psygnosis e sua tríade de sucesso no PS1
DD trazia uma atmosfera até então bastante inovadora ao gênero, baseando-se nas corridas dos famosos Demolitions Derbys americanos - disputas automotivas de destruição - e misturando-as com elementos da NASCAR, como o modelo dos carros por exemplo.

Como eu disse ele era bastante inovador e a física empregada nas colisões era fantástica, apesar de eu não entender muito desses bagulhos de programação, dá pra dizer que muito jogo de hoje em dia não tem um sistema de colisões tão decente como DD, a sequência então foi ainda mais aprimorada, e bater o carro era umas das maiores diversões do jogo. No meu caso me divertia muito mais as disputas em arenas do que as corridas em si.
Ah lembrando que o game foi um grande sucesso e um dos primeiros a virar platinum hits no PlayStation.

Houve muitos games similares como Demolition Racer da Pitbull  Syndicate (joguei muito esse, mas pecava em deixar a destruição em segundo plano, dando ênfase nas corridas), o já citado Test Drive Eve of Destruction e Flatout (fui conhecer Flatout 2 uns meses atrás, é outro que talvez eu comente por aqui), mas nenhum me divertiu tanto quanto DD, talvez por causa daquele negócio da novidade dos polígonos que mencionei. Pelo menos pra mim, PS1 e Saturn com seus games poligonais cheios de angulos de visão e o seu "realismo extremo" divertiam pra caramba rsrs.

Eu indico a qualquer um que não conheça esse jogo, que dê uma experimentadinha. Mas atenção, um conselho de amigo, saiba considerar na sua avaliação a idade do jogo, certamente não vai surpreender ninguém hoje em dia, mas nos idos de sua época, era jogão! Quem viveu sabe!

Abraços e até o próximo Domingos!

0 comentários:

Postar um comentário

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...